Pular para o conteúdo principal

Os Sonhadores e algumas revelações

     Uma especial amiga me recomendou um filme, aliás, me emprestou até o DVD, Os Sonhadores. De início gostei do título e o levei para assistir. Ontem, sozinho, enquanto a sopa cozinhava me sentei na sala para assistir o filme. Aí fui surpreendido com uma obra de arte em todos os sentidos.
     Quem tiver interesse em saber mais sobre o filme, coloco um link do Wikipédia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Os_Sonhadores.
     Mas quero escrever sobre os sentimentos que surgiram em mim vendo o filme. Aliás, quando um filme ou qualquer outra expressão de arte nos faz pensar, estamos diante de algo perene e que deixa de ser um produto descartável. Infelizmente temos cada vez mais filmes ou outras formas de arte descartáveis, o que não é o caso de Os Sonhadores.
     Como escrevi acima, eu estava sozinho em casa, o dia lá fora era de um nublado profundo, não existia cidade em volta do meu apartamento, me sentia numa ilha em minha própria casa, a cerração estava tão forte que somente se via um manto branco intransponível, o que me permitia entrar na atmosfera do filme que se iniciava. Nos primeiros minutos já senti algo diferente, o ritmo da filmagem era especial, não tinham aqueles cortes rápidos característicos dos filmes norte-americanos. O ritmo era outro. Estava começando a presenciar uma obra de arte...
     A história de Mattew,  um jovem americano, morando temporariamente em Paris, cinéfilo, uma paixão que o aproxima de duas pessoas simplesmente diferentes e também apaixonados pela sétima arte. O casal de gêmeos - Theo e Isabelle - com um relação muito forte entre si, um amor intenso, puro, mas em alguns momentos possessivo e quase doentio. Então surge Matthew interpretado por  Michael Pitt.
     O que  me encantou no filme é a beleza do amor que surgiu entre eles e como foi retratada esta relação. Neste cenário, há citações magistrais de filmes antigos.
     Em meio ao filme eu pensava em como o amor pode mexer com nossa vidas. E como este amor nos retira, por vezes, da realidade. Como em muitos momentos da minha vida o amor havia mexido comigo, como sofri por amor, como fui feliz por amor... em meio ao filme me vi vivendo um amor louco e simplesmente diferente de tudo vivenciado até então. Mas não parava por aí a avalanche de sensações vividas naquela tarde-noite, o DVD seguia distribuindo imagens e sentimentos e eu já não sabia onde estava. Um outro personagem tinha mais coisas para revelar sobre mim.
     Theo, interpretado pelo ator Louis Garrel, é um revolucionário teórico, e que não sai desta teoria à prática (a história se passa na França em meados de 1968, no ápice dos protestos estudantis e de trabalhadores, com greves por todo lado e uma repressão forte por parte do Estado). Ele simplesmente ignorava o que passava a sua volta para viver a sua vida, numa contradição evidente entre convicções e ações. Mais uma vez me vi retratado, de uma forma ou de outra sou meio isso, também um contraditório no que se refere aos pensamentos e as ações não praticadas. Penso, penso e penso, mas ponho muito pouco em prática, sou um espécie de revolucionário de playground. Talvez me falte uma causa para lutar, talvez devesse estar no oriente médio e sair para a rua, colocando em prática tudo que prego, mas moro bem longe de lá... talvez se estivesse lá continuasse escrevendo este blog, talvez...
     Mas voltando ao filme, o ponto central de Os Sonhadores é o amor e como lidamos com este sentimento. Como encaramos as armadilhas do amor, como lidamos com as conseqüências do amor.
      Não queria escrever sobre mim, mas o filme me revelou e quero extravasar este novo eu. Por isso, excepcionalmente, estou me revelando mais do que normalmente faço, pelo menos nos textos procuro ficar mais distante dos meus sentimentos, mas hoje, me permitam, é diferente. O amor é meio louco e sai do normal, eu me sinto sem chão, vendo o filme descobri que sou um cara absolutamente contraditório. Me vejo de um jeito, mas minhas reações e ações revelam que sou completamente diferente de quem acho que sou. É interessante nos desccobrir diferente do que pensamos ser e este filme me mostrou quem sou. Em cada personagem eu me via em certo sentido, mas não sei se conseguiria viver aquele amor louco, aquele ambiente. Não cabe a dúvida, tenho certeza de que não conseguiria viver aquele amor. Mas esta conclusão me mostrou que não tenho que lutar contra os fatos, somos o que somos e ponto final. Acho que já fui mais "louco" do que sou atualmente, a idade e as experiências da vida vão nos ensinando algumas coisas. Uma delas é tentar se entender e não lutar contra os fatos.
     Em resumo ao começar o filme eu era um e ao final era completamente diferente. Ou quem sabe eu tenha ficado do mesmo jeito, mas apenas tenha entendido como sou e porque sou... quem quiser ver o filme, dou um conselho, veja sozinho a emoção é diferente. Posso assegurar. Eu por outro lado, irei rever muitas vezes, quero seguir me descobrindo. Por fim, tenho que agradecer a quem me emprestou Os Sonhadores, já sabedora que o filme mexeria comigo, obrigado Camila, do fundo do coração.

Trilha Sonora
I Walk The Line - Johnny Cash - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Are You Going With Me? - Pat Metheny Group - Offramp
Are You Going With Me? - Pat Metheny Group - Travels (Disc 1)
In The Middle Of A Dream - Muse - Arcana
Heroes - David Bowie - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
A Horse With No Name - America - A Horse With No Name and Other Hits
O Paraiso - Madredeus - Antologia
No More Keeping My Feet On The Ground - Coldplay - Singles
Orff: Carmina Burana - Fortuna Imperatrix Mundi: Fortune Plango Vulnera Franz Welser-Möst: London Philharmonic Orchestra
Orff: Carmina Burana - Primo Vere: Veris Leta Facies Franz Welser-Möst: London Philharmonic Orchestra
Sangue Latino - Secos & Molhados - Coletânea
O Vira - Secos & Molhados - Coletânea
O Patrão Nosso De Cada Dia - Secos & Molhados - Coletânea
Amor - Secos & Molhados - Coletânea

Comentários

  1. lindo post para um lindo filme!

    ResponderExcluir
  2. Cara, acho que tu já faz bastante apenas sendo a pessoa bem humorada e amiga que é.

    ResponderExcluir
  3. Um dos melhores filmes que já assisti. Com certeza eu viveria um amor assim...

    ResponderExcluir
  4. Aliás, esqueci de dizer que seu post é sensacional, ja compartilhei no Facebook! Valeuu! :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…