Pular para o conteúdo principal

O último encontro de Rachelle e Carlos Eduardo

Para entender esta história, é bom ler antes o post Carlos Eduardo, o outsider, publicado no dia 02 de Junho
     
     Andava sem destino, sem saber por onde ir,  apenas andava para tentar esquecer o quanto sofria por amor. O amor, pensava Rachelle, era para ser o ápice de uma vida, mas para ela era simplesmente o seu ocaso.
     Mas por que teria que ser assim? Rachelle jamais amara alguém. Vivera sua vida a distribuir prazer para todos que a procuravam. Não fazia distinção entre homens e mulheres, sua profissão era dar prazer sem perguntar nome, idade ou profissão. Sem qualquer envolvimento sentimental.
     Com Carlos Eduardo foi diferente, ele nunca quis uma noite de amor, nunca propôs nada a não ser conversar sobre a vida, sobre o futuro ou sobre o passado. Muitas vezes riram juntos, algumas vezes choraram juntos, mas nunca seus corpos se encontraram. Às vezes Rachelle passava em frente a casa de Carlos Eduardo, já o viu com sua família, ele tinha dois filhos lindos, uma mulher bonita e dois cachorros. Rachelle só olhava ao largo, nunca pensou em atrapalhar a vida de Carlos Eduardo. Ele sempre estava sorrindo. Parecia ser um sujeito respeitável...
     Como Rachelle se deixou apaixonar por Carlos Eduardo? Ainda mais ela que sempre foi muito descolada, sempre sabia separar sua profissão dos seus sentimentos. Mas o fato é que Rachelle se apaixonara e não sabia mais como lidar com este sentimento até então desconhecido.
     Rachelle sabia que um dia iria se apaixonar e que constituiria uma família, mas não esperava se apaixonar neste momento da sua vida. A verdade é que estava irremediavelmente apaixonada.
     Desde o último encontro com Carlos Eduardo já havia passado mais de sete anos, muita coisa acontecera neste período. Rachelle já não era mais aquela garotinha de antes, a vida já se fazia pesar sobre seus ombros. Estes dias Rachelle foi obrigada a comparecer ao fórum. Foi marca uma audiência decorrente de uma  agressão sofrida em uma das tantas noites de trabalho. A vida estava sendo muito dura com Rachelle, trabalhar à noite estava cada vez mais perigoso, antigamente era mais calmo, as pessoas só buscavam um pouco de prazer. Atualmente não era mais assim, as pessoas buscam também extravasar suas frustrações. Parece que o prazer está vinculado à violência, Rachelle pensava em largar esta vida.
     Mas ao entrar na audiência ela viu que o juiz era o Carlos Eduardo,  aquele que um dia havia se apaixonado por ela, que no passado fora uma espécie de outsider... Agora ele era juiz, um senhor respeitável, ou melhor, um respeitável juiz. Rachelle pensou; como este homem ficava bem de terno, como ficava lindo...
     O coração de Rachelle disparou, sua boca ficou imediatamente seca, seus olhos não sabiam mais o que e para onde olhar, mas o fato é que não tirou mais os olhos de Carlos Alberto. O homem que se apaixonou por ela no passado, agora era quem iria julgar seu caso. Será que ele iria lembrar-se dela? Será que ele ainda era aquele cara sensível de mais de sete anos atrás? Qual seria a reação dele? Tudo a sua volta parou, parecia que tinha entrado em uma outra dimensão.
     Alguém chegou e falou com Carlos Eduardo baixinho e ele levantou os olhos para começar a audiência. Imediatamente colocou os olhos em Rachelle. Para quem conhecia Carlos Eduardo, como o seu secretário de audiências, logo percebeu que algo tinha mexido com o Excelentíssimo. Mas quem não tinha esta convivência diária não percebeu nada.
     Os olhos de Rachelle e Carlos Eduardo se encontraram, por um instante tudo naquela sala desapareceu, era somente eles a se olharem. Parece que no mesmo instante tudo que viveram juntos surgiu do passado, todas as suas conversas, todo o desejo que sentiam um pelo outro ficou novamente latente.
     Mais a audiência tinha que começar e o secretário fez a abertura formal. Tudo transcorreu normalmente, se é que existe normalidade neste tipo de processo. O agressor fora condenado a prestar serviços a comunidade e ficar a uma distância de no mínimo 500 metros de Rachelle. A audiência ia para o seu encerramento quando, imperceptivelmente aos demais, Carlos Eduardo deu uma piscadela para Rachelle, do mesmo modo que ela fizera no primeiro encontro deles sete anos atrás.
     Os papéis referente ao processo estavam sendo assinados e Carlos Eduardo deu um recado de forma discreta ao seu secretário de audiência:
     - Diga para a senhora Rachelle esperar aqui na sala da audiência.
     - Mas, Doutor, a audiência já está terminando.
     - Isso eu sei João, mas quero dialogar com esta senhora após a audiência. Será que não fui claro o suficiente?
     - Sim Doutor, muito claro.
     Então, não sabendo como agir, João pediu para que Rachelle ficasse na sala, pois tinha outra intimação para ser assinada por ela.
     Mentiu descaradamente, mas não sabia o que fazer.
     Rachelle que não era ingênua logo sacou que tinha coisa do Carlos Eduardo, aliás do Dr. Carlos Eduardo ou seria o Excelentíssimo Senhor Doutor Carlos Eduardo.
     Todos saíram da sala de audiências, menos Rachelle.
     Rachelle ficou na sala por alguns minutos, pensado o que ocorreria nos minutos seguintes, pensou em tudo que lhe aconteceu nestes últimos anos, todos os sofrimentos pelos quais passou, todas as decepções, em como a vida havia sido complicada para ela. A sua profissão deixou de ter o glamour que tivera no passado, se é que em algum dia teve, agora os riscos foram amplificados de forma geométrica. Tudo a sua volta parecia desmoronar de forma inapelável. Rachelle não sabia mais o que fazer de sua vida.
     Mas nestes anos todos nunca esqueceu o grande amor da sua vida, o amor mais puro que já sentiu em toda a sua existência. Ao mesmo tempo sempre soube que não era mulher para um sujeito como Carlos Eduardo, seja ele sete anos atrás quando era uma espécie de outsider, seja hoje quando é este elegante juiz.
     Neste momento adentra na sala de audiências vazia, Carlos Eduardo, que aos prantos sussura:
     - Muito obrigado Rachelle, muito obrigado do fundo do meu coração. Se hoje estou onde estou devo a este amor que sinto por ti, devo aos bons sentimentos que sinto por ti, tu me fez um homem melhor, um homem que descobriu que poderia fazer e ser diferente... Graças ao meu amor por ti. Graças a tudo que vivemos juntos e a tudo que deixamos de viver.
     - Carlos Eduardo, nestes anos todos nunca me esqueci de ti, cada homem que encontrei eu te via, em cada cama que deitava eu te sentia lá, só assim suportei estes anos. Tu me conheceu numa esquina, aliás nunca mais fiquei naquela esquina, lá é uma espécie de lugar sagrado para mim.  Hoje ao te encontrar aqui senti o maior orgulho.
     - Tu sabe Rachelle que pela lei eu deveria me declarar suspeito para julgar a tua causa, sei que tu não entende estas coisas de leis; mas a lei determina que se o julgador for amigo íntimo ou inimigo capital de qualquer das partes, de ofício, deve se declarar suspeito para julgar a causa e repassá-la para outro juiz julgá-la. Não consegui fazer isso. Não pude ver o teu sofrimento sem te ajudar, sem pelo menos usar da lei para fazer enfim justiça.
     - Cadu, posso te chamar assim ainda?
     Ele com um sorriso nos olhos assentiu.
      - Cadu. Estou num encerramento de ciclo, estava decidida a largar esta vida que levo, não sei o que fazer, mas uma decisão eu tomei aqui nesta sala de audiências, irei viver outra vida. A partir de hoje irei começar do zero. Não sei exatamente o que fazer, mas sei o que não fazer.
     - Rachelle, tenho certeza que tu irá conseguir trocar de vida, mas mesmo que tu continuasse na luta diária nada mudaria dentro do meu coração. Tu foi o maior amor da minha vida.
     - Cadu, tenho que te pedir algo.
     - Peça o que quiser.
     - Quero fazer amor contigo uma única vez. Sei que tu tem família constituída, onde tu mora, muitas vezes vi vocês juntos. Mas quero apenas te amar um dia que fosse, alguns momentos. Te sentir por completo.
     - Rachelle, não pense que não te desejo, não pense que não a quero nos meus braços, mas não posso, não quero perder tudo que tenho. Não quero perder a família que constitui, não posso perdê-los, não quero perdê-los. Quero que o amor que sinto por ti fique exatamente do jeito que está, ou seja, classificado como o maior amor da minha vida. Rachelle o amor que sinto por ti - o verbo está no tempo correto, pois ainda te amo - é o mais puro amor que um ser humano pode sentir. Vou te ajudar de todas as formas possíveis, mas não me peça o impossível, afinal, sou um ser humano como qualquer outro.
     - Cadu, tu continua o mesmo homem especial. Por isso te amo e te amarei para sempre.
     Os dois chorando se abraçaram por longos minutos.
     Após este encontro Rachelle e Carlos Eduardo continuaram seus caminhos e descaminhos diários. O Doutor Carlos Eduardo está em franca ascensão na carreira, inclusive seu nome está cogitado para a Suprema Corte, pois seus julgados primam, acima de qualquer coisa, pela justiça. E Rachelle agora tem uma pequena empresa no ramo da educação sexual e quem emprestou o capital inicial para a constituição da empresa foi... o Dr. Carlos Eduardo, o melhor amigo de Rachelle.
 
Trilha Sonora:

Map Of The Problematique - Muse - Black Holes And Revelations (Japanese Release)
Airdance - Andreas Vollenweider - Air
Walking in Your Footsteps - The Police - Message in a Box
Fake Plastic Trees - Radiohead  - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
You Keep Me Hanging On - The Supremes - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Vem  - Madredeus - Antologia
Walk To The Water - U2 - The B-Sides 1980-1990
Letter From Home -  Pat Metheny Group - Letter From Home
Jack-in-the-Green - Jethro Tull - Songs From the Wood
Thank You For The Feelin' - Bachman-Turner Overdrive - Bachman-Turner Overdrive
Karma Man (Previously Unreleased Stereo Mix) - David Bowie - David Bowie (Deluxe Edition)
Fire And Rain - James Taylor - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Love Is the End - Keane - Perfect Symmetry
Exo-Politics - Muse - Black Holes And Revelations
The Thin Ice - Pink Floyd - The Wall - Disc I
Happy Xmas (War Is Over) - John Lennon - Rock 70´s
Foxey Lady - The Jimi Hendrix Experience - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Pandora - Cocteau Twins Stars & Topsoil: A Collection (1982-1990)
John, I'm Only Dancing - David Bowie - Singles Collection, Vol. 2
Paint It, Black - The Rolling Stones - Live Licks
Monkey Gone To Heaven - The Pixies - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
The Show Must Go On - Pink Floyd - The Wall - Disc II
Supermassive Black Hole - Muse - Black Holes And Revelations
Red Light - U2 - War
Woman from Tokyo - Deep Purple - Rock 70´s
Ultra violet (light my way) - U2 - Achtung Baby
Under Wraps #2 - Jethro Tull - Under Wraps
The Raven - The Alan Parsons Project - Ultimate
Zoo Intermission - U2 - Show Estádio Morumbi São Paulo 10/04/2011
Fortunate Son - Creedence Clearwater Revival - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Prime Time - The Alan Parsons Project - Ultimate

Comentários

  1. Muito bom o texto, Ledventure. Gostei do final. So explica para eu poder comprender melhor, é que sou uma pessoa alheia a estas perversões sexuais, o que vem a ser "empresa no ramo da educação sexual"?? Uma sexshop?. Abraços, pai do Figueroa(aproveitando para esclarecer que Figueroa é um inocente caozinho, ja que surgiu esta dúvida em um outro post).

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…