Pular para o conteúdo principal

Templos Modernos

    Voltaire certa vez afirmou que se Deus não existisse deveria ser inventado; já o militante russo Mikhail Bakunin escreveu que se Deus existisse deveria ser abolido, pois a sua existência retira do ser humano o livre-arbítrio.
     Será que seria possível vivermos sem a figura de um Deus no nosso imaginário? Ou então sem os rituais que envolvem a religião?
     O ser humano desde os primórdios da sua existência se apega a alguma forma de misticismo. Na idade da pedra eram as pinturas em cavernas numa espécie de adoração a um Deus ou ao inexplicável. Em todos os tempos da história este fato se repete, seja na história antiga, na idade média ou nos tempos atuais. Em alguns momentos da história este apego à religiosidade parece ser mais intenso. Às vezes fico me perguntando o porquê deste fato? Por que as pessoas se apegam a uma crença? E por que em alguns momentos da história da humanidade parece ser mais intensa esta fé?
     Me parece claro que quanto maior a crise econômica ou a pobreza, mais pessoas buscam o "conforto" numa religião. Tenho impressão que esta relação é clara e direta. Posso estar enganado, mas penso que não. Basta andarmos pelas periferias de nossas cidades para encontrarmos um cem número de templos religiosos e sempre lotados de pessoas que buscam apoio na religião. Também é verdade que estes templos não se restringem mais aos arrabaldes, agora se encontram também nos centros de qualquer cidade. Os templos modernos não são construídos ao acaso, mas sim porque existe uma grande procura. Cada vez mais o ser humano não vê sentido na sua vida e procura desesperadamente estas religiões que prometem uma vida melhor agora, basta que coloquemos nosso dízimo na caixinha.
     As religiões modernas aprimoraram a suas pregações; entenderam que não adiantava mais prometer uma vida melhor no futuro distante, um futuro adiante da vida ou talvez numa outra dimensão. Os administradores destas religiões modernas formularam uma nova forma de pregação. Foi então que começaram a mostrar pessoas de sucesso, pessoas que tinham problemas (principalmente financeiros), mas que depois de entrarem para religião as suas vidas melhoraram. Histórias de sucesso entre os seus seguidores. Esta mudança de paradigma foi claramente notada  a partir de meados da década de 1990 e início dos anos 2000.
     Esta forma de comunicação foi muito bem pensada, pessoas com dificuldades financeiras era o que mais tinha naquele período, muitas pessoas se enquadravam naquelas pessoas apresentadas, estava pronta a armadilha religiosa. 
     Por outro lado, a Igreja Católica não encontrou uma forma moderna de pregação, por isto cada vez mais perdeu e perde adeptos. Estes dias entrei em um templo Católico e me deparei com pouquíssimas pessoas em seu interior. Ali estavam somente pessoas com mais de 60 anos, não tinha nenhum jovem. Pensei que era apenas uma coincidência, então fui a mais três igrejas em dias e horários diferentes e não foi nada diferente, sempre havia um número diminuto de frequentadores e a maioria era de idosos. Este fato para mim é mais um sinal da estagnação da Igreja Católica. É o sinal de que não há renovação em seus seguidores.
     Por outro lado, se passarmos em frente a qualquer templo moderno (é como chamo estas novas religiões com templos faraônicos) nos deparamos com um outro cenário. São famílias inteiras fanatizadas, quase em transe. Pessoas de todas as idades. Nestas Igrejas modernas encontramos de tudo menos reconforto espiritual. Encontramos pregadores mal intencionados, que buscam somente angariar cada vez mais dinheiro. Existem metas de arrecadação, ranking de arrecadação e premiação para os templos que mais arrecadam. Um verdadeiro descalabro. Para se ter ideia de como funciona, coloco um link, que muitos podem ter visto, mas que é elucidativo para entender o esquema das igrejas modernas: Como as coisas acontecem por detrás dos púlpitos...
     Para concluir tenho certeza que as religiões poderiam ser abolidas. A religião entendida como qualquer filiação a um sistema específico de pensamento ou crença que envolve uma posição filosófica, ética, metafísica, onde exista pessoas que se interpõe para fazer uma espécie de interlocução entre o seguidor e a força mística, que poderíamos chamar de Deus, Energia ou qualquer outro nome. A ideia de religião, tenho convicção, só nos leva ao atraso, só provoca conflitos de todas as naturezas e gera exploração do homem pelo próprio homem. Por outro lado, entendo que a religiosidade faz parte do ser humano, não conseguiríamos viver sem este culto à divindade, temos a necessidade de crer em algo superior a nós, mesmo que não exista nada, mas temos a necessidade de acreditar que exista. Esta crença nos mantém vivos. Portanto, não há como retirarmos do ser humano esta necessidade de crer no inexplicável, mas não precisamos de interlocutores entre nós e esta força cósmica.


Trilha Sonora:
Whole Lotta Shakin' Goin' On - Jerry Lee Lewis - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Rubber Band (Single Version) - David Bowie - David Bowie (Deluxe Edition)
Keep A Knockin' - Little Richard - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
In Another Land - The Rolling Stones - Singles Collection - The London Years (Disc 2)
Airstream - Pat Metheny Group - American Garage
The Thrill Is Gone - B.B. King - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
A ilusão da casa - Vitor Ramil + Marcos Suzano - Satolep Sambatown
We Are Hungry Men (The Original Stereo Album Mix) - David Bowie  - David Bowie (Deluxe Edition)
Light Is Faster Than Sound - Big Brother & The Holding Company -  Live At Winterland '68
The Scientist - Coldplay - Rockabye Baby! Lullaby Renditions
Stories For Boys - U2 - Boy (2008 Remaster)

Comentários

  1. Sugiro http://mb-soft.com/believe/ttnm/agnostic.htm, vale a pena.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…