Pular para o conteúdo principal

Onda do mar

     Hoje eu estava caminhado em volta de uma famosa Lagoa. Me dirigia a outra famosa praia. Nos ouvidos, a todo volume, tocavam muitas músicas. Num certo momento tomei consciência que não precisava muito mais do que aquilo que eu tinha naquele momento para ser feliz. A felicidade não é algo constante em nossas vidas, somos invadidos de tempos em tempos por este sentimento que todos definiram como Felicidade. A felicidade é como uma onda do mar invadindo a praia. Vem, remexe em tudo e depois volta para o mar. Às vezes somos praias muito calmas, sem nenhuma onda aparente, em outros momentos nossa praia é invadida por ondas de todos os tamanhos e origens. Esta é a vida de todos nós. É bom que seja assim, é necessário que seja assim.
     Num momento da caminhada, vejo um destes ônibus de excursão lotado de pessoas da terceira idade. Ao lançar um olhar mais acurado percebi que estava lotada de velhinhas (este lance de terceira idade é muito politicamente correto, fica mais bonito e carinhoso chamá-las de velinhas, pelos menos assim me parece) e no máximo uns cinco velhinhos. Estes bem encurvados pelo tempo, enquanto que elas estavam serelepes saindo do tal ônibus. Ao olhar aquele grupo de velhinhas percebia a estatística se mostrando para mim. Nós homens morremos antes, sofremos mais as agruras da vida, por isso elas ficam mais tempo neste mundo. Elas merecem mesmo...
     Mas, o que importa é que vi a felicidade estampada naqueles olhos, talvez cansados por verem tantas injustiças na vida. Mas, ainda sim, felizes por estarem vivos e aproveitando muito o tempo nesta dimensão. Quero ser assim, ou seja, um dos que negam a estatística ou quem sabe ser o tal do desvio padrão (que muitos tentaram me explicar ao longo da vida, mas que até hoje pouco entendi). É isso, quero ser o desvio padrão e viver muito tempo, para quando eu tiver uns 80 anos fazer parte de uma excursão cheio de velinhas enxutas para me ampararem.
     Eu quando andava pensava que nesta época de Natal temos a  tendência de vivenciarmos alguns sentimentos tristes, mas se olharmos para o lado perceberemos que não há motivo para tanta tristeza. Estamos vivendo a vida que escolhemos, pois somos frutos de nossas escolhas. Se estamos tristes isso é, também, por nossa vontade. Hoje li uma frase numa desta academias de yôga que teve o condão de me trazer para a realidade, parei em frente e anotei:
 Tantra Yoga é o caminho que tem por objetivo levar o indivíduo a perceber que ele já é a felicidade que busca ser....
     Naquele momento a frase me mostrou o caminho pelo qual eu tinha que seguir, sempre busco fora de mim ou em outras pessoas a felicidade, somos nós a felicidade, ela é imanente a nós. Não há como encontrá-la se não olharmos para nós mesmos.
     Naquele momento, eu parado em frente daquela frase, no mesmo instante o grupo de velhinhos veio à mente e, finalmente, entendi onde tenho que ir para ser feliz. E o melhor de tudo que está bem perto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…