Pular para o conteúdo principal

O livro da estante

     Ontem reli um trecho de um livro incrível. Germinal de Émile Zola - se alguém tiver interesse em saber mais sobre esta obra, clique no link a seguir: Resumo do livro. Sem motivo aparente peguei o livro na estante e abri ao acaso. Ao sentar e tendo nas mãos aquela obra literária me encontrei com o menino que sem bem me lembro, mais ou menos 25 anos atrás, teve o primeiro contato com o Germinal.
     Lembro perfeitamente das loucuras que passavam na cabeça daquele jovem, que ainda não era LedVenture, mas apenas Led . Depois reli aquele livro algumas vezes no decorrer dos anos. E é fácil perceber as diferenças do mundo, dos meus sonhos, das pessoas que amei, dos amigos ou das vitórias e derrotas que experimentei.
     No primeiro contato aquela história mexeu profundamente comigo. Eu era um pouco aqueles operários sem futuro. Como eles eu estava sem rumo, ou melhor, rumo eu tinha, mas não havia certeza da chegada.  Imaginava muitas coisas, sonhava outras tantas, mas como aqueles operários eu não tinha certeza de nada. Muitas dúvidas. Incertezas intermináveis. Ao olhar para trás vejo que a vida foi muito benéfica comigo, perdi alguns lutas, mas sempre me dispus a continuar lutando. E quando, pelo caminho, eu fraquejava ao ponto de ficar caído, alguém vinha e me levantava e continuávamos a caminhada.
     A loucura de tudo isso é o fato de que estas lembranças tenham vindo tão cristalinamente quando eu apenas folheava aquele livro. Muitas coisas "esquecidas" em algum canto do meu ser, mas que de uma hora para outra extravasaram de forma avassaladora. Eu gostei de me lembrar daqueles tempos de dúvidas e incertezas. Mas o melhor é perceber que aquelas dúvidas transformaram-se em realizações. Não consegui mudar o mundo como desejava, mas mudei minha vida, mudei a vida de algumas pessoas e isso é o que importa. Quanto as mudanças no mundo percebi pelo caminho que passam, irremediavelmente, pelas mudanças de cada um. Não faremos revoluções se não mudarmos nossa forma de fazer e pensar. Quando percebi que não adiantava somente sonhar com grandes mudanças e nada fazer, comecei a fomentar pequenas transformações que somadas formarão o tecido social da mudança. Quando isso ocorrer, se é que algum dia ocorrerá, perceberemos que não precisamos de grandes rupturas ou revoluções sangrentas, mas sim de pequenas alterações de comportamento de cada um de nós.
     Às vezes me vejo meio descrente no ser humano, por vezes não acredito mais em nossa geração ou em gerações futuras. Mas, por outro lado, também é verdade que de uns tempos para cá, me percebo mais otimista com o ser humano, tenho até alguns rasgos de otimismo com o nosso futuro como humanidade. Claro que este otimismo não é exacerbado, pois muita coisa que está a nossa volta me faz cair na realidade cruel do dia a dia. Mas tudo isso surgiu de umas poucas folhas relidas. Um livro tem a capacidade de sempre mexer com a gente, mesmo quando está na estante ele exerce alguma influência em nós. Mas quando folheamos estes livros eles tem o condão de alterar nossas vidas. Foi o que aconteceu comigo. E tenho certeza que é o que ocorre com todos que se entregaram ao hábito saudável da leitura. Então, só posso desejar a todos que passarem por estas linhas acima escritas, uma boa leitura, seja de que livro for.

Trilha Sonora
Biggeste Mistake (instrumental) - The Rolling Stones Biggeste Mistake Promo CD

Comentários

  1. Excelente texto, Leandro!
    Também sou amante da leitura (embora ultimamente não tenha tido tempo) porque nos faz refletir, viajar, imaginar coisas.
    Muitas vezes ficamos vivendo nosso cotidiano de forma automática, mecânica, sem pararmos. E a leitura dá uma quebrada nisso tudo.
    E foi o que este teu texto fez comigo. Obrigado!
    Abraço,
    Marcelo

    ResponderExcluir
  2. Bonito texto, Leandro.

    Agora volta logo pro Cartório que tá meio calmo demais isso aqui, hehe. Ordinário!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…