Pular para o conteúdo principal

O encontro marcado

     Um dia acordei e eu não era mais eu. O sofrimento havia, enfim, entrado dentro de mim. Sempre ouvi falar neste sentimento, mas de uma hora para outra fui apresentado a ele.
     Não foi fácil me deparar com o sofrimento. Fomos apresentados num velório. Ali, naquela capela  experimentei a dor mais profunda que podemos sentir. Do outro lado daquela sala fria eu sentia que o Sofrimento me testava Há muito tempo ele queria se apresentar a mim, mas eu vivia uma vida completamente apartada dele. Nenhuma preocupação, quase nenhum sobressalto. Mas sempre soube que um dia seríamos apresentados. E este dia chegou. Lá estávamos frente a frente. E qual foi minha reação? Simplesmente chorar...
     Chorei como nunca na minha vida, chorei por todos os anos de felicidade, chorei por todos os desvios que me afastaram deste encontro. Mas, por incrível que pareça, sai mais forte, mais determinado, mais preparado para estes encontros da vida. Posso, enfim, dizer que sou um cara maduro.
      Lembrei dos meus anos de adolescente que queria sentir o sofrimento dentro de mim, mas minha vida era repleta de alegrias, não tinha com o que me revoltar, não existia algo que me fizesse sofrer. Isso, não quer dizer que vivia um conto de fadas. Mas, sim que eu encarava os possíveis sofrimentos com leveza e desprendimento, talvez enxergasse as agruras da vida como mais um degrau daquele caminho.
     Entretanto havia chegado o momento do sofrimento sem limites. Ali, o sofrimento se apresentou e travamos uma conversa séria e madura, que foi mais ou menos assim:
     - Led (até parecia íntimo, deveria ter chamado de LedVenture), enfim, nos encontramos.
     E eu chorando, sem nem saber direito onde estava, tentei responder.
     - Me deixa sozinho, quero chorar. Tu não vê que estou sofrendo?
     - Sei muito bem disso. Sou o teu sofrimento, se me entende.
     - Não te entendo. Nem sei quem tu é. Estou esperando meu irmão, recém cheguei...
     - Eu sei, estou contigo desde ontem à noite quando tu recebeu a notícia.
     - Que notícia?
     - A notícia que te trouxe até aqui.
     - Então, ontem à noite quando atendi o telefone você estava ao meu lado? Aquele sentimento era você? Dentro do carro vindo para cá, você de tempos em tempos se mostrava para mim e eu chorava?
     - Mais ou menos isso. E te digo que é assim mesmo. Quando encontro alguém pela primeira vez é muito duro. É difícil. É, posso dizer sem fazer um trocadilho, sofrido. Agora tenho que te dizer, que seremos companheiros em alguns momentos da tua vida. Agora que fomos apresentados, de tempos em tempos viveremos momentos juntos. Então se eu puder te dar um conselho, aproveita quem tu ama, aproveita a vida que tu tem, faça o bem para quem tu gosta. Não existe fórmula para me evitar, mas existe, sim, uma forma de ser feliz. E tu sempre viveu uma vida feliz. Não se deixe abater por isso que estamos vivendo agora. Faz parte da vida. Este é combo da vida. Ente?
      E chorando como nunca havia chorado até então, senti meu irmão Luciano chegando e nos abraçamos. Então, num piscar de olhos, entendi a conversa que tinha travado com o sofrimento. A partir daquele instante percebi que só há uma forma de ser feliz, abraçando quem amamos, compartilhando com eles nossas alegrias e também as possíveis tristezas e, principalmente, estando ao lado de todos que, de uma forma ou de outra, nos ajudam nesta trilha sem atalhos que é a vida.

Trilha sonora
Streetheart - Under My Thumb - Rock 70´s
Gimme Shelter - The Rolling Stones - Live Licks
Blinded By Rainbows - The Rolling Stones - Voodoo Lounge
Nick Gilder - Hot Child in the City - Rock 70´s
Love is a losing game - Amy Winehouse - Back to black

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…