Pular para o conteúdo principal

"Tsunamis e Bunkers"

     Nada, absolutamente nada, é tão estranho quanto a vida. De um momento para o outro tudo à nossa volta e nós mesmos mudamos. Não estou me referindo a mudanças ruins ou boas, mas sim a estas mudanças constantes em nossas vidas.
     Sempre sou surpreendido com os acontecimentos diários. Sempre talvez seja um exagero estilístico, mas a verdade é que de tempos em tempos um tsunami nos atinge. E, às vezes, este tsunami é para remexer coisas indevidamente acomodadas. Por motivos infindáveis e inexplicáveis entramos em rotinas sem fim. Entramos em zonas de conforto e lá construímos uma espécie de bunker. Nos isolamos de tudo que possa ameaçar este pequeno mundo à parte. Aqui cabe um pequeno parênteses para explicitar que este texto não é uma generalização, mas sim uma particularidade minha, apesar de usar o plural majestático estou divagando sobre experiências minhas, se outros têm estas mesmas vivências, não sei, posso desconfiar, mas não tenho certeza. Feito este pequeno mas necessário esclarecimento, continuo.
     Quanto estamos protegidos neste nosso bunker imaginário, somos chacoalhados, mexidos e remexidos por esta vida que não admite a manutenção de proteções por muito tempo. Nos tornamos desabrigados em nossa própria vida. Quando nos damos conta estamos no meio de mais uma avalanche de acontecimentos que fogem ao nosso controle. Temos a pseudo certeza que controlamos nossas vidas. Não controlamos nada, somos controlados por tudo isso que nos cerca. E quando tomamos consciência desta falta de controle que temos de nossas vidas é um tanto chocante. Talvez assustador, mas é a realidade.
     Escrevo isso para fluir este sentir que fica dentro de mim, por vezes, recluso, mas que tempos em tempos foge do controle. Mas por que ter controle? É bobagem controlar sentimentos, temos é que vivenciá-los na sua maior dimensão. O meu bunker  está em ruínas e isto é muito bom. Não quero mais saber de proteções, quero me expor às mudanças da vida. Num primeiro momento mudanças controladas, quem sabe no futuro deixe estas mudanças livres para desempenharem o seu papel...

Trilha sonora
Love is a losing game - Amy Winehouse - Back to black
Streets Of Love - The Rolling Stones - A Bigger Bang
Your Love (Once Upon A Time In The West) - Dulce Pontes & Ennio Morricone - Focus
(Your Love Keeps Lifting Me) Higher And Higher - Jackie Wilson - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
One I Love - Coldplay - Live 2003

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…