Pular para o conteúdo principal

O Brasil tem solução

     O BrasiL, ao que parece, ainda tem solução. Muitos dirão que é vendê-lo. Pura intriga da oposição. Se bem que a oposição no Brasil não existe mais, basta dar-lhes alguns cargos para ficarem mansinhos. É verdade que cada vez mais o apetite por cargos cresce exponencialmente, agora a moda no Brasil é requer a administração de estatais, de empresas públicas ou Ministérios inteiros e de porteira fechada para fazerem o que bem entenderem. E nós continuamos pagando esta salgada conta.
     Mas o Brasil tem jeito. Será que estou louco ao afirmar isso. Acho que não. Darei um exemplo que chama a atenção de muitas pessoas. As blitzes da Lei Seca na cidade do Rio de Janeiro. Nos acostumamos a olhar o Rio de Janeiro como uma espécie de microcosmo brasileiro, com todas as dificuldades e deslizes éticos amplificados. Não é um julgamento, mas apenas uma impressão. Nossa história de País é iniciada, basicamente, no Rio com a chegada da Família Real Portuguesa que trouxe a tira-colo a sua falta de limites. O Rio de Janeiro a partir de então foi estigmatizado como o lugar do jeitinho ou do apadrinhamento. Não por culpa dos cariocas, mas sim como resultado da sua formação.
     As coisas começam a mudar ou pelo menos parece.
     As blitzes da Lei Seca no Rio, aparentemente, não poupam ninguém. Desde Senadores da República, passando por empresários, jogadores de futebol ou outros figurões. A Lei está valendo para todos. Sem exceção aparente. Sempre é bom colocarmos este adjetivo para não sermos surpreendidos no futuro próximo. Até é normal haver algum deslize, afinal, são humanos que aplicam esta lei, pessoas comuns que têm suas fraquezas, mas no geral estamos sendo brindados com exemplos constantes de honestidade por parte destes policias cariocas. Como é bom quando estes comportamentos éticos nos são oferecidos pelas autoridades do país, ainda mais numa cidade que frequentemente nos apresenta exemplos da mais pura falta dignidade.
     Muitas vezes perco a esperança no país, mas volta e meia sou surpreendido pelo Brasil que luta para mudar o seu destino. Muitos brasileiros cansaram do jeitinho, cansaram da propina ou de qualquer outra forma de burlar a lei. Muitos de nós lutam diariamente por um país melhor, um país que possamos olhar e sentirmos orgulho do que vemos, orgulho do que construímos. Infelizmente ao olhar o nosso País sentimos oprimidos por esta, acho eu, minoria corrupta que só pensa em como se locupletar com o dinheiro da Viúva. O estado brasileiro é uma espécie de mantenedora de "elites" que só querem usar o Estado a seu favor. Se assenhoraram da coisa pública e impedem que a população tenha serviços públicos de qualidade. Mas penso que algo está mudando no nosso País. Quero acreditar que estamos dando os passos necessários na direção desta mudança. Claro que o caminho é tortuoso, afinal, são quinhentos anos de apropriação indébita.
     Não gosto daquele otimismo sem sentido ou ufanismo desmesurado. Por outro lado, quando encontramos bons exemplos neste mar sem fim de irregularidades é importante valorizamos. Assim, continuaremos firmes nesta estrada de mudanças. A minoria silenciosa precisa se fazer ouvir, caso contrário perderemos esta batalha. Ainda temos muito chão para gramar, mas já começamos e isso é o que importa. Será que, enfim, estou me transformando em uma pessoa otimista. Acho que não, apenas continuo realista. O Brasil tem solução, sim senhor.

Trilha sonora
Black Magic Woman  Gypsy Queen - Santana - Rock 70´s
The Gathering Sky - Pat Metheny Group - Speaking Of Now
Orff: Carmina Burana - In Taberna: Estuans Interius - Franz Welser-Möst: London Philharmonic Orchestra Orff: Carmina Burana
Those Sweet Words - Norah Jones - Feels Like Home
Theme From The Swan - Passengers - Original Soundtracks 1
Theme From Let's Go Native - Passengers - Original Soundtracks 1
One Minute Warning - Passengers - Original Soundtracks 1
You don't believe - The Alan Parsons Project - Ammonia Avenue
October Song - Amy Winehouse - Frank
Apocalypse Please - Muse - Absolution

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…