Pular para o conteúdo principal

O pintor da praça central

     Não tenho inspiração. Esta foi a conclusão de Elton. Mas tinha que continuar tentando, pois tinham encomendado um quadro para ele.
     Disseram que poderia pintar o que quisesse. Só não poderia ser arte abstrata, pois iria atrapalhar os planos do comprador.
     Era uma ironia esta falta de inspiração, logo o Elton que pintava quadros rapidamente na rua, no mínimo dois por dia, mas sempre era daquela paisagem de praça, uma coisa bucólica. Desta vez era diferente, era uma encomenda internacional.
     Quem havia encomendado parecia ser graúdo. Estava de terno, gravata e óculos escuros. Foi bem claro, teria que estar pronto no máximo no outro dia, pois iria viajar imediatamente. Já havia passado sete horas e nada de vir a tal inspiração. Não queria fazer feio. Poderia pintar aquela velha e surrada paisagem da praça central ou quem sabe aqueles rabiscos que todos chamava de arte abstrata. Não! O comprador foi bem claro, não poderia ser arte abstrata...
     Então, num sopro de inspiração, começou a pintar uma mulher chorando à beira de um rio, deixaria no imaginário das pessoas o porquê daquela mulher estar chorando. Seria um sucesso do calibre da Mona Lisa. Uma com um sorriso enigmático e outra chorando sem um porquê. Já estava imaginando o quadro numa casa de ricaço e as pessoas perguntando de quem era aquela obra maravilhosa. Quem sabe iriam contatá-lo para fazer outros quadros e, então, poderia deixar a praça central e expor em alguma galeria do mundo.
     Agora cada vez mais inspirado não parou nem para almoçar, tão pouco jantar. Foram exatas 18 horas ininterruptas, mas enfim o quadro estava pronto. Na sua concepção uma obra prima....
     No outro dia levou o quadro para a praça envolto num pano branco, deixou no fundo da banca a espera do comprador. Estava ansioso e nem queria receber dinheiro pelo quadro, mas o material foi caro e esta era a sua profissão.
     Mais ou menos às nove da manhã chega o comprador, novamente todo alinhado de terno e gravata, tudo combinando, realmente uma pintura, se não pegasse mal diria que o cara estava um gato. Elton deu um sorriso quase imperceptível e, por fim, um pequeno suspiro.
     O comprador enigmático foi logo perguntando:
     - O quatro está pronto?
     Elton achou um tanto mal-educado, nem deu bom dia, mas ele deveria estar com pressa, afinal,  iria viajar para o estrangeiro. Então respondeu bem rápido:
     - Sim, o senhor quer dar uma olhada? Ficou lindo, pelo menos eu acho. Está mais para o realismo..
     O comprador foi logo interrompendo:
     - Me dê logo, aqui está o cheque.
     - Mas o senhor não quer ver o quadro?
     - Não. Levarei  para casa para embalá-lo melhor e depois rumo à Europa.
     - Que legal. Mande notícias, gostaria de saber a reação dos seus amigos. O senhor não quer levar um cartão meu?
     O comprador deu uma risada meio amarelada e saiu com o quadro a tira-colo.  E claro não levou o cartão.
     Elton ficou o dia inteiro com um sorriso nos lábios, afinal, havia vendido o seu primeiro quadro para o exterior, sua vida iria mudar. Com certeza.
     À noite estava em casa com sua mulher comemorando a primeira venda de quadro para o exterior, na televisão estava passando um destes telejornais noturnos. De repente viu uma reportagem de apreensão de drogas no aeroporto internacional. Prenderam um homem tentando levar cocaína para o exterior dentro da moldura de um quadro. Elton chegou a pensar sobre a coragem deste traficante. O pior estava por vir. O comentário do apresentador:
     - O traficante trapalhão tentou levar a droga em um quadro cafona e de péssimo gosto. Por que não escolheu um quadro bem pintado, chamaria menos atenção. Depois deste comentário deu uma sonora gargalhada.
     Então o mundo de Elton desmoronou, mostraram o quadro na televisão e era a sua "obra-prima", ali em rede nacional e objeto de comentários desairosos. Ainda bem que o cara não quis levar o seu cartão e pelo menos ganhou algum dinheiro nesta confusão. Mas lembrou que era um cheque...


Trilha Sonora
Bad - U2 - The Unforgettable Fire
Sparks - Vários Artistas - EP's
Young Lust - Pink Floyd - The Wall - Disc I
I Feel Love - Donna Summer - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
New York Mining Disaster 1941 - Bee Gees - Their Greatest Hits - The Record (Disc 1)
Whole Lotta Love - Led Zeppelin - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Green-Eyed Lady - Sugarloaf - Rock 70´s
As Cores Viajam Na Porta Do Trem Vitor Ramil - A Paixao De V Segundo Ele Proprio
Bee Gees - Stayin' alive - Rock 70´s
Everything's Not Lost - Coldplay - Trouble - Norvegian - Live2001
Play That Funky Music - Wild Cherry - Rock 70´s
Clocks (Live) - Coldplay - Singles
Jumpin' Jack Flash - The Rolling Stones - Singles Collection - The London Years (Disc 2)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…