Pular para o conteúdo principal

Um encontro esperado

    Hoje recebi um e-mail de um amigo. Em anexo ele enviou uma contribuição ao Blog, um texto um tanto depressivo. Uma história intrigante e intensa... Então, resolvi publicar aqui no blog. Este amigo leu meu blog na distante Iraí e se sentiu motivado a escrever. Gostei da interação e espero mais contribuições dos amigos... Afinal, é difícil escrever todos os dias. Obrigado Victor.


Por Victor Hugo Vidal
   
     Chove. Chove muito. Tudo em volta esta alagado. Minha vida é um rio caudaloso. Não consigo vislumbrar nada. Às vezes vejo um sofá boiando, uns pneus velhos, muitas garrafas plásticas... Minha vida é o rio que corta esta rua.
     O rio começa a subir, chove muito. Mas eu não tenho forças para nada, nem para lutar pela minha vida. Talvez tenha que mudar completamente, mas sempre faço as mesmas coisas. Chove lá fora.
     Quando chove tenho que levantar todas as coisas em casa, é assim desde sempre. uando chove fico em alerta. Mas hoje não tenho forças para nada. Muito menos tentar salvar coisas materiais.
     Ouço vozes gritando para que eu saia de casa, mas não quero mais lutar, cansei de sempre tentar. Lutar como nunca e ser derrotado como sempre. Chove cada vez mais forte, não tenho forças. As vozes estão mais fortes, parece que estão gritando aqui dentro, não quero ouvir mais nada. Cansei de tudo que me cerca. Cansei de todos que me cercam.
     - Sai da aí, o rio esta enchendo muito rápido. Luiz, deixa de ser louco...
     Eles não entendem, deixei de ser louco faz tempo. Não entendem que este rio sou eu. Nunca estive mais lúcido na vida. Chove torrencialmente. Algumas goteiras começam a surgir.
     - Luiz... Luiz, vem para a rua, aqui está mais seguro.
     Como assim mais seguro? Não tenho segurança, não tenho esperanças, não tenho mais nada. Nem esta vida me pertence. Por que lutar por ela, se não há um mínimo sentido em viver. Começo a sentir a água invadir minha casa. Vou ficar deitado nesta cama. Lembrou do seu único amor. Mas mesmo este amor já se foi. Passou como este rio teima em seguir o seu fluxo.
     A chuva se transformara em tempestade. Nenhuma voz se ouve, somente o som do vento forte, destelhando casas, revolvendo a terra. Será que estava levando para longe todas as tristezas da vida? Não. Não era isso. Luiz começou a lembrar de todas as tristezas pelas quais passou na vida. Parecia que o vento trazia todas elas de volta, até mesmo a mais esquecida tristeza se fazia novamente presente. Não bastavam as tristezas atuais, agora as tristezas de uma existência estavam todas lá, mostrando sua triste face...
     A chuva era cada vez mais intensa, parecia que os dias de uma existência tinham passado todos num instante, parecia que nunca mais o sol venceria aquelas nuvens, somente chuva e vento... O som da chuva lembrava rajadas de tiros. Cada gota acabava com algum tipo de esperança. Cada gota estilhaçava sua vida. Não restava mais nada.
     A chuva parou de uma hora para outra. Para a tristeza de Luiz ele continuou a sina de esperar a morte chegar. Quando  ela chegar com certeza será bem recebida por Luiz que dirá:
     - Que bom que você chegou, lhe espero há muito tempo. Você não nega sua fama. Sempre chega na hora errada. No meu caso você deveria chegar muito anos antes, mas não deu o braço a torcer, você nunca se rende, sempre é do seu jeito, na sua hora. Mas vamos logo com isso e me tira deste inferno que é a vida...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…