Pular para o conteúdo principal

Os desperdícios diários

     Hoje, ao abrir meu e-mail, me deparei com o texto enviado por um amigo para ser publicado aqui no Ledventure. Se fosse possível, faria minhas as palavras dele. A contribuição vem da distante Uberaba. Não conheço a cidade que este amigo das antigas foi morar, mas logo irei até lá... Me aguarde para alguma manifestação.

Por Muhammad Zola

     Como perdemos tempo com besteiras. Cada dia me sinto desperdiçando esta vida em cotidianos sem o mínimo sentido. Se fosse possível juntar todos os minutos desperdiçados em coisas inúteis teria, no mínimo, mais uma vida para ser vivida.
     Será que há um antídoto para estes desperdícios? Ao olhar em volta imagino que todos que me cercam não cometam estes desperdícios. Todos parecem tão ocupados... Mas será que eles não desperdiçam seus tempos? Será que sou só eu que deixo a vida passar nestes cotidianos inúteis?
     Não é possível que todos que cruzem por mim estejam no meio de uma tarefa imprescindível para sobrevivência do mundo. Será que o mundo está sendo salvo por todos e eu não faço nada nesta tarefa hercúlea? Será que sou apenas um transeunte em meio a multidão...
     Pura encenação. O mundo que vivemos é o mundo da superficialidade e das aparências, somos forjados na superficialidade. Não existe nada mais frustrante do que este estado de coisas que nos cerca.Tudo em nossa volta é direcionado para nos tornamos os menos críticos possíveis. Os menos questionadores possíveis. Somos um produto desta modernidade que apenas mantém a vida como ela é. Posso estar completamente enganado. Mas acho que não.
     As gerações atuais só estão preocupadas com seus umbigos ou então aparentar o que não são. Nas redes sociais nos deparamos com exemplos diários da falta de consciência. São fotos, comentários, vídeos, enfim, tudo com uma única direção, se fazer parecer. Às vezes, para limpar suas consciências rasas, assinam alguma campanha digital; desde quem não tenham que sair da frente dos computadores, pois o mundo real é muito duro para a geração virtual. A luta não faz parte desta geração. O enfrentamento é posto de lado em prol de suas imagens pessoais. O que irão dizer seus amigos se forem vistos em alguma manifestação. Corre-se o risco de serem bloqueados por seus amigos virtuais. Aí é o fim. É ou não é o mundo das aparências?
     Sinceramente cansei deste mundo de faz de conta. Queria viver um mundo diferente. Mas o que eu faço para mudar isto que me cerca? Nada ou quase nada. Mas já estou começando a me indignar, agora só falta eu sair da frente deste computador. Se alguém me avistar em alguma manifestação e quiser me bloquear na sua rede social, por favor faça isso... Quero deixar o mundo das aparências e me tornar um lutador de verdade.

Comentários

  1. http://www.youtube.com/watch?v=iCVhUvQft-s&feature=player_embedded

    ResponderExcluir
  2. estava lendo aquele livro do Hemingway, "Paris é uma festa", e invejando a coragem dele, a capacidade de acreditar em si. ele queria ser escritor, queria viver os anos 20 em Paris na companhia de outros artistas, mesmo que isso significasse diversas privações. imagina se ele tivesse ido pelo caminho fácil?

    p.s.1: tu já assistiu um filme alemão chamado "A vida dos outros"?

    p.s.2: acho que esse muhammad zola tá copiando teu estilo, te liga...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Interaja com Ledventure...

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…