Pular para o conteúdo principal

O encontro final

     - Um dia tu me disse adeus. E foi bem claro, viva a tua vida... Pois eu vivi.
     - Mas ficou implícito que um dia voltaríamos a ficar juntos.
     - Cadu, olha o que tu esta dizendo. Ficarmos juntos! Quando tu me disse para viver a vida, não havia nenhuma condicional. Aquela era uma sentença definitiva.
     - Andreia, eu queria te deixar livre para ficar livre também. Mas tu se tornou uma pessoa melhor, constituiu família, está com um filho lindo e um marido muito legal. E eu?
     - Cadu, perdemos contato, mas não perdemos o afeto entre nós. Quero que tu esteja feliz também. Mas depois do que tu fez, não sei não.
     - Não sei o que é felicidade. Vivi intensamente estes anos, fiquei com muitas mulheres, mas não tive nenhum amor. O amor que sentia contigo numa mais experimentei.
     - Cadu, apesar de nos amarmos tu me fazia mal, tu me empurrava para baixo. Sempre foi assim. Diferentemente do Otávio que quis construir uma história comigo. Ele não competia comigo, simplesmente lutava junto pelo amor e pela vida. Diferente de ti.
     - Tu foi e é a única pessoa que me entende. Tu me vê como sou, apesar de ser dura.
     - Não sou dura. Sou realista.
     - Não importa a definição. Tu é a mulher da minha vida.
     - Negativo. Talvez tenha sido, tenho lá minha dúvidas. Tu nunca deu espaço para ninguém, tu sempre pensou somente em ti. E nada mais.
     - Pensei muito em nós nestes anos afastados.
     - Não mente pra nós. Tu pensava em mim, mas somente como uma forma para tua felicidade ou quem sabe algum prazer sexual. Sou muito mais do que isso. O Otávio me viu além destas roupas bonitas, deste perfume ou da minha pele sedosa.
     - Tenho saudade do teu cheiro, do teu gosto. Do teu jeito de fazer amor. Lembra da música, acho que do Kleiton e Kledir que ouvíamos juntos, enquanto...
     - Cadu, tu não se dá conta, mas tu só fala de sentimentos que envolvem o prazer sexual. Te disse, sou muito mais do que uma mulher atraente. Aliás, já estou na faixa dos 40. Preciso e sou reconhecida por outros atributos.
     - Mas eu te quero junto de mim. Pelo menos uma última vez...
     - Cadu, vou te dizer uma coisa. Já passou o tempo em que resolvíamos as coisas na cama. Definivamente este tempo passou. Sou diferente. Pena que tu é o mesmo. Nunca iria arriscar minha felicidade por uma aventura.
     - Andreia, agora sou uma simples aventura.
     - Nem isso tu é mais. Te disse que não arriscaria a minha felicidade nem por uma aventura. Tu é apenas um cara pelo qual já fui apaixonada e isso aconteceu no século passado. É verdade que tu me fizeste um grande favor. Quando tu disse para eu viver a minha vida, foi a melhor coisa que alguém fez por mim. Mas no teu caso tu só fez aquilo por egoísmo. Tu queria viver a tua vida e por isso me libertou.
     - Tu está mais dura do que nunca. Talvez a tua profissão tenha te endurecido.
     - Não, simplesmente entendi a vida como ela foi apresentada a mim. E não foi fácil, foram muitos anos de análise.
     - Andreia, quantos anos se passaram do nosso último encontro? Tu lembra?
     - Nem sei.
     - Então vou te dizer. Faz exatos 17 anos. Aliás, hoje foi o dia do nosso último encontro, 17 de julho de 1994. Era a final da Copa do Mundo de 1994. Ou tu acha que te encontrar justamente hoje foi pura coincidência?
     - Espera um pouco. Então tu foi preso para se encontrar comigo? Não pode ser. Tu é mais louco do que eu imaginava.
     - Isso mesmo. Eu te amo e não tinha jeito de me encontrar contigo, então tive que roubar aquele banco para ser preso e ser interrogado por ti.
     -Puta que pariu Carlos Eduardo. Tu fez o maior assalto dos últimos anos, escavou um túnel de 200 metros, roubou 120 milhões para ser preso e conversar comigo. Tu é muito trouxa. Se deixou ser preso dentro do túnel. O que tu acha que vai acontecer agora?
    - Tenho certeza de que tu vai transar comigo e depois arranjará um jeito para eu ser solto. Simples assim. Estamos no Brasil, país do jeitinho.
    - Carlos Eduardo tu não me conhece mais, tu não conhece o teu pais. Nós mudamos...
    Neste momento Andréia chamou o carcereiro e o escrivão. Deu ordens para trancar o meliante na cela, pois ela iria redigir o indiciamento do elemento e solicitaria a sua prisão preventiva. Assim o amor entre eles findou. Com uma prisão.
 
Trilha sonora
Eighteen - Pat Metheny Group - Offramp
Alice Cooper - School's Out -  Rock 70´s
Clocks (Album Versie) - Coldplay - Singles
Take Me to the River  - Al Green - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Prove It All Night - Bruce Springsteen - Rock 70´s
Let There Be More Light - Pink Floyd - A Saucerful Of Secrets
Heart - Dreamboat Annie - Rock 70´s
The Wall - Kansas - The Best Of Kansas
I've Found A Love - Cat Stevens - Morning Has Broken
God Save The Queen - The Sex Pistols - Rolling Stone Magazine's 500 Greatest Songs Of All Time
Nino Rota No Sobrado - Vitor Ramil - Tango
Jumpin' Jack Flash - The Rolling Stones - Singles Collection - The London Years (Disc 2)
Minstrel Gigolo - Christopher Cross - Christopher Cross

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os conflitos de Lucas

- Hoje você me disse que tudo estava acabado. Mas estamos aqui neste motel.
     - Não retiro o que te disse. Estar aqui é mais uma prova que o nosso amor acabou e que o único lugar onde ele ainda pulsa é aqui. O que é uma pena.
     - Mas ainda tem um lugar onde somos felizes.
     - Tu acha que felicidade é isso que vivemos? Se tu acha que isto aqui é felicidade, tenho que te dizer que você nunca foi feliz...
     - Eu aqui nos teus braços sou a mulher mais feliz deste mundo e isto é felicidade para mim.
     - Pois eu queria algo mais.
     - Lucas, tu é o primeiro homem que me diz isso, talvez por isso você seja tão especial.
     - Não sou especial, apenas quero ser feliz e formar uma família. Só isso, será que é pedir demais?
     - Com certeza para uma mulher como eu é pedir demais... Nem meu nome tu sabe. Só meu nome de guerra.
     - Como assim, tu não se chama Sharon?
     - Claro que não. Meu nome é comum e não combina com o que faço.
     - Então se revele, pelo menos…

"Como fazer sexo"

O Google a cada ano nos revela as trends, em nosso amado português podemos traduzi-lo como tendências. Ou no português mais nosso ainda são os termos mais pesquisados no ano. É interessante dar uma olhada para vermos como somos fúteis. No Brasil para se ter uma ideia o termo mais pesquisado foi o BBB13. Estamos reduzidos a quase nada. Ou um nada completo.
     Mas o que mais me chamou a atenção foi um o tal tópico de "Como fazer". São todas as pesquisas com tem como intenção descobrir como fazer determinada coisa e pasmem está em quarto lugar a pesquisa "como fazer sexo". Não acreditam, então acessem o link: Trends: Como fazer sexo. Fico imaginando a pessoa "googleando" antes daquela noite (manhã ou tarde) de sexo. "Já sei como fazer, mas quero dar uma recordada, hoje promete e não quero decepcionar". É o fim da várzea.
      Eu sei que o google faz parte da nossa vida, não nos vemos sem esta ferramenta dos tempos modernos, mas pesquisar c…

Vida em anacruse

Já escrevi vários inícios. Muitos refeitos ou deletados.
     Tentativas vãs. Ou melhor, tentativas desfeitas, mas não vãs, pois todas, absolutamente todas me ensinaram alguma coisa. Na verdade pouco importa, porque a cada início tudo se repete. Queria que fosse diferente. Talvez como a música que está tocando. Follow Me do disco Imaginary Day do Pat Metheny  é a música perfeita para retratar o que quero dizer. Esta música já inicia no meio de um compasso, o que recebe o nome de anacruse, acho que é este o nome.
     A vida poderia ser uma grande anacruse. Explico. Primeiramente tenho que tentar definir anacruse como a ausência de tempos no primeiro compasso de uma melodia. Não sou músico, por isso defino a anacruse de forma tão simplória e tosca. O que quero dizer com esta figura de linguagem é que seria mais fácil se a vida fosse em anacruse, ou seja, quando menos esperássemos já estaríamos vivendo, sem nenhum subterfúgio ou intróito. Não prepararíamos nada. Não desperdiçaríamo…